Dois desafios: um pra mim, um pra vocês!

21 Comentários

Ainda vai demorar um pouco! A data do transplante depende da confirmação de alguns exames da doadora, que levam algum tempo, e de questões burocráticas entre hospital e plano de saúde. Vou ter que fazer um ciclo de quimioterapia semana que vem.

E nessa roda-viva de emoções que tenho passado, avançamos duas bases e estamos nos aproximando do grande momento, que será possível graças a muitos de vocês que estão lendo esse blog. E não falo da boca pra fora…

Parem e pensem. Já tive a vida salva dezenas de vezes por dezenas de ilustres anônimos. Todas as várias vezes em que precisei transfundir sangue e plaquetas, sobrevivi graças àqueles que foram ao hemocentro e deram o sangue (literalmente) por mim e por outras pessoas. E nesse momento não importa se você é rico ou pobre, alto ou baixo, branco ou negro. Somos todos iguais. O rico não tem como ir à farmácia e comprar uma bolsa de sangue. Você que é doador, já parou pra pensar que sua [do]ação pode ter salvo a minha vida? Que certamente salvou a vida de alguém?

Isso sem falar na única doadora 100% compatível comigo, que só “existe” graças a essa pessoa que resolveu se cadastrar no REDOME, e que depois resolveu salvar a minha vida, sem ao menos me conhecer, sem pedir nada em troca.

Nos últimos dois posts, que levaram esse blog para mais de 50 países e tornaram a luta conhecida em todo o país, recebi centenas de depoimentos emocionados, mensagens carinhosas e a troca de experiências com colegas que vivem situações semelhantes. Tive a prova de que os bons são a maioria. Mas também percebi que muitos entenderam que a existência do doador disponível para a doação seria, por si só, a garantia da cura. A cura virá meus amigos, com fé em Deus e Nossa Senhora, mas é importante sabermos que vencemos apenas uma batalha de uma pesada guerra. Quer entender como ela funciona daqui pra frente? Vamos aos desafios do dia…

Pois bem, hoje vamos falar sobre os temidos processos pré e pós transplante de medula óssea. Procedimentos que não conheço, mas aos quais serei apresentado em breve.

O processo pré-transplante é também conhecido como condicionamento (foi o nome bonitinho que acharam para atropelamento, que seria o mais próprio para a situação).

Vamos começar pela fantasmagórica TBI, que mais parece nome de Imposto (Transferência de Bens Imóveis), mas que na verdade é – nas palavras de Liliane Peritore da ATMO – o nome da “jamanta” (e não do Jamanta) que passa por cima dos pacientes que fazem o transplante de medula óssea. Explico.

Brincadeira Jamanta

A TBI (Total Body Irradiation), para nós Irradiação Corporal Total, segundo o renomado cientista e Nobel de Medicina, Dr. Gabriel Massote Pereira, que sempre foi conhecido por sua linguagem técnica, é o processo de destruição total da medula ‘véia’ e doente para dar lugar à medula zero bala e saudável do doador. Vai looonge esse rapaz. Mentirooooso…

Vamos acabar com a palhaçada e ouvir de quem realmente sabe das coisas: “A Irradiação Corporal Total é uma técnica utilizada para administrar grandes campos de radiação no corpo inteiro. Trata-se de um complexo programa de tratamento para anemia aplásica, leucemias, linfomas e outros tipos de tumores que são combinados com altas doses de quimioterapia e utilizado na preparação para o transplante de medula óssea.”

Outro grande especialista nessa área, que responde pelo nome de Palê Zuppani, e que sabe mais do que muito expert por aí, já que foi submetido a dois (dois!!!) transplantes de medula óssea, definiu esse processo em seu divertidíssimo documentário “Apenas um Capítulo” (assistam no youtube!!) com apenas duas e conclusivas palavras: “To destruído!”.

A outra metade da laranja dessa história é representada pelas altas doses de quimioterapia, que associadas ao TBI, levam a destruição total da medula, momento em que a nova medula poderá chegar com reduzidos riscos de que a doença volte a se manifestar no futuro.

Atenção pessoal, não é minha intenção rodear esse procedimento de medos e estigmas, mas apenas alertar aos que passarão pelo procedimento e seus familiares (dentre os quais me incluo) que o batidão será pesado. E é importante sabermos o tamanho da jamanta, para preparamos o espírito e o corpo para o rojão. A agressividade da intervenção também serve de alerta para sermos extremamente obedientes às recomendações médicas. D I S C I P L I N A é a palavra de ordem.

É fé em Deus, confiança nos médicos e a certeza de que entrar nessa luta com otimismo e a cabeça boa são nossos principais aliados. Uma mente pessimista e desestimulada atrai de tudo, até mesmo o indesejável azar. Acredita em ferradura e pé de coelho? Use. Acredita em São Longuinho? Reze. Acredita que o Lula não sabia de nada? Ééé, vai fazer o que né? O negócio é ACREDITAR. Como bom atleticano, eu acredito (em quase tudo)!

O mais simples de tudo isso é o transplante em si, que como já informei em posts anteriores, é recebido como uma simples transfusão, sem cortes, sem pontos, sem dor, sem anestesia. Recebo muitas mensagens perguntando quando será a cirurgia. De tanto “sem”, o procedimento não é sequer cirúrgico. O menos perigoso do transplante de medula é o transplante de medula. Ihhhh, ficou confuso? Vou melhorar…

Os grandes perigos do transplante estão no período do condicionamento/atropelamento e, sobretudo, no período pós-transplante, já que é a partir desse momento que começam outros – digamos – pequenos probleminhas a serem enfrentados.

Um Hospital de referência define o período pós-transplante da seguinte forma:
“Durante o período em que estas células ainda não são capazes de produzir glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas em quantidade suficiente para manter as taxas dentro da normalidade, o paciente fica mais exposto a episódios infecciosos e hemorragias. Por isso, deve ser mantido internado, em regime de isolamento. Cuidados com a dieta, limpeza e esforços físicos são necessários. Apesar de todos os cuidados, os episódios de febre são quase uma regra no paciente transplantado.”

Associam-se a isso as transfusões de sangue e plaquetas, até que a nova medula consiga produzir sozinha a quantidade necessária de células para a sobrevivência do paciente. A esse fenômeno (quando a nova medula produz sozinha) dá-se o nome de PEGA DA MEDULA, que ocorre de 10 a 30 dias após o transplante. É um dia de festa, de bolo de aniversário, de parabéns e de vela com a idade 0 (zero).

É o dia do renascimento. Nascemos de novo! Os pacientes realmente passam a comemorar o dia da Pega da Medula como sendo a nova data de aniversário (só espero fazer o meu transplante antes de 23 de outubro, 4 escorpianos em casa dá não!)

Aquela impiedosa jamanta que passa por cima da gente e que tenta a todo custo colocar em dúvida o sucesso do tratamento se transforma, como um milagre divino, em uma linda cegonha, não aquele tipo de cegonha que carrega carros pelos rincões desse Brasil, mas a ave encantada que transporta (sem carta-frete) os bebês que serão entregues para a mamãe e para o papai (o transplantado vira quase um bebê, perde as vacinas e boa parte do seu histórico imunológico). Viva a Pega da Medula! Viva o renascimento! E viva a língua portuguesa… rsrsrs.

brincadeira cegonha

Mas os desafios (assim como as contusões na seleção brasileira) não param. A Pega da Medula não é o fim. Fosse um jogo de futebol, a Pega da Medula significaria ir para um intervalo ganhando de 1 x 0 fora de casa. A partir daí, é jogar fechadinho na defesa e esperar o contra-ataque.

O termo contra-ataque não foi usado por acaso. Vejam que curioso! Nos outros tipos de transplantes, como de rins, fígado ou coração, há a possibilidade do nosso corpo rejeitar o novo órgão. No transplante de medula funciona exatamente ao contrário. É a nova medula do doador que pode rejeitar o nosso corpo, o que pode ocorrer em relação a outros órgãos, como pulmão, fígado, rins, pele, olhos, etc. Esse comportamento, se ocorrer, é chamado de doença do Enxerto contra Hospedeiro, ou GVHD (graft-versus-host disease).

Nesse momento tem que entrar forte a defesa (drogas que controlam o avanço dessa rejeição). Retranca neles…

Tirando isso, são comuns infecções, febres e pequenas hemorragias. Gente, depois que o Palê fez DOIS transplantes de medula óssea, e está hoje dando palestras no Brasil inteiro sobre isso cheio de saúde, perde-se o medo de qualquer coisa.

E graças a Deus, hoje temos acesso a muitas informações e estatísticas. Não mais informações do que o Obama tem da Dilma e do nosso país, mas o suficiente para sabermos que os índices de sucesso nos transplantes no Brasil estão aumentando consideravelmente.

Parte desse sucesso se dá graças ao trabalho de Ong’s como a ATMO (Amigos do Transplante de Medula Óssea), que tem reconhecido e premiado trabalho de conscientização sobre a importância da doação de medula e apoio (de todas as naturezas possíveis e imagináveis) a pacientes nessa situação. Nem imagino o que fariam se tivessem o apoio do Governo. Talvez o substituiriam. Precisam de recursos, e os merecem. Entre no site e colabore (www.atmo.org.br)

Você que conseguiu chegar até aqui, e aguentou o blá-blá-blá do Gabriel até esse ponto, gostaria de lançar um DESAFIO (o meu agora vocês já conhecem): você provavelmente já deve ser doador de sangue e medula. Se não for, e estiver habilitado, faça o favor, né? Se já é, o desafio é conseguir convencer PELO MENOS UM conhecido que ainda não é a procurar o Hemocentro e se tornar doador de sangue e medula de hoje ATÉ O DIA 15 DE SETEMBRO. Não basta a promessa, tem que convencer e certificar que foi. Que tal? Dentre os que me comunicarem, sortearei um brinde surpresa (sou bom de surpresa hein, diz ai Ana Gabriela!).

Mas a surpresa maior e melhor seria conseguir doadores para o Thiago e a Vanessa de Uberlândia, para o pequeno Mateus de Belo Horizonte e tantos outros que aguardam um doador compatível disponível. Contamos de novo com vocês meus amigos e repito: não vamos parar por aqui.

Fiquem com Deus e MUITO OBRIGADO por todo esse carinho! Aceitam o desafio??

desafio-aceito2

Anúncios

21 comentários sobre “Dois desafios: um pra mim, um pra vocês!

  1. Amigo sou doadora de sangue de plaquetas de medula e sempre convenço outras pessoas a doarem mas o meu maior sonho e encontrar alguem q eu seja compativel
    .o q tenho pra te dizer e q nao perca a fe a luta e grande mas continue firme e forte e muita fe em Deus.♥♡♥♡

  2. Boa tarde, depois que vc for atropelado e sobreviver sem nenhuma costela quebrada, vai comemorar o aniversário com direito a colocar o dedo no bolo rs e sair da dieta, pq sabe que tem uma Skol Gelada esperando vc e Ana Gabriela em Boa Viagem. Não foi por acaso que chegou até aqui, que levou o susto da doadora INDISPONÍVEL. Ser solidário e não pensar só em vc, em um momento que tinha o direito de ser egoísta é a melhor parte dessa postagem. Força aí, alegria vc tem de sobra, uma família a seu favor, a torcida do Atlético em peso, e a família de Meduleiros (a) viciados em Facebook, que vc já conquistou, estarão contando cada dia da pega da sua medula. Vai ser café com leite, ver João Bombeirinho de Maringá, Pedro do Vale de São Paulo, estão super bem como Pale. bjssss Obrigada por divulgar o trabalho anônimo a ATMO

  3. Toda vez que vejo uma foto sua dano a chorar kkkkk!!! Seu transplante vai ser otimo e sua jamanta bem levinha!!!N. Sra. da Conceicao e a Irma Benigna ( a mesma q me ajudou com o Galo na libertadores) vao estar junto com vc!! A massa te espera curado!!!Muita sorte na sua vida!!#euacredito!

    • Oi Ana Paula, eu recebo orações feitas a tantos Santos, de tantas religiões, que como diria o contador de causo Geraldinho, quando alcança a graça “agredece eles tudo, pois não sabe qual foi que acudiu!” rsrsrs. O importante é a fé. Assisti a todos os jogos do galo no Independência, e perdi apenas a final, quando já estava internado. Ruim por um lado, mas a ala inteira do 8 andar acordou com a gritaria… rsrrs. Grande abraço

  4. Gabriel, a mamãe terminou as sessões de quimio essa semana…e que venha a CURA…seu nome está em vários grupos de orações de meus amigos…anônimos para você…mas amigos em oração pela sua CURA. Que vc e Carol fiquem com Deus aí em Sampa.

  5. Eu até gostaria de ser doadora de medula, porém na minha cidade não faz a coleta de medula, a cidade mais próxima é Salvador que fica muito longe…. enquanto não tem aqui este procedimento, sou apenas doadora de sangue…

    • Infelizmente é a política atual. Não existe uma única razão razoável que justifique o fato de um lugar estar habilitado para doação de sangue, e não estar habilitado para cadastro de doadores de medula, que exige apenas uma coleta de sangue. A resposta está na limitação de cotas de doadores por Estado. Temos que rever isso Vanusa…

  6. Salsicha!!!! Pode colocar seu nome no sorteio do brinde surpresa!!!! Kkkk vc me convenceu!!! passei por uberlandia semana passada e aproveitei pra me cadastrar como doadora de medula…. se Deus quiser vai existir alguém na lista que seja compatível comigo… deve ser muito gtatificante demais salvar uma vida!!!

  7. Bibi querido, essa sua força é minha também. Sempre que leio seus escritos fico mais esperançosa e certa de que tudo vai terminar bem. É mais uma etapa de todas que você, com certeza, vencerá. Emanos vibraçoes positivas diariamente. Em frente.

  8. Gabriel, fico muito feliz em ler tudo o que você escreve. Passei muitos anos acompanhando uma Tia nessa guerra e com certeza a fé e a auto-estima são essenciais para vencer tudo isso! Deus é bom, já diria um grande amigo que foi vitima de um câncer, ele está com você e vai dar tudo certo. ELE te carrega no colo neste momento! Força e Fé sempre. bjs

  9. Grande Gabriel Massote!
    Como sempre, seu texto é bom, direto e otimista.
    Eu já te disse antes, mas repito agora: tenho pra mim tanta convicção que ao final vai dar tudo certo, que só torço mesmo pra que esse final chegue logo e com o mínimo possível de desgaste!
    No mais, mantenha essa cabeça boa como tá. Aqui de longe estamos torcendo por você.
    E pode contar comigo pro que for preciso!
    Abraço

  10. Olá, meu nome é Gilvan, primeiramente parabéns por este guerreiro que és, pessoas como vc são anjos de Deus aqui na terra, são exemplos de luta pela vida, uma coisa que muitos tem de sobra e não dão valor…. Meu jovem, a Vanessa esta querendo te visitar, te conhecer, tem como você mandar seu endereço pra ela ou pra mim?

  11. Grande sobrinho e afilhado… Parabéns pela demonstração como leva tudo isto com inteligência, humor e sabedoria! Leitura super legal. Tenho muito orgulho de você. Beijos!!!

  12. Cara, me emocionei muito lendo seu blog. Principalmente quando você falou da fé em Nossa Senhora … graças a interseção dela já fui curado de um grave problema de saúde tb! Espero do fundo do meu coração que logo logo você consiga sair dessa. Força e Fé! Por mais que não nos conhecemos, pode contar com as minhas orações e as da minha família. E assim, como Nossa Senhora D’abadia sempre nos ajudou, Ela tb irá te ajudar! Toda a energia positiva do mundo para você! Abração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s